Segurança dos Profissionais da Saúde no Manejo para o COVID-19

Segurança dos profissionais da saúde no manejo clínico do COVID-19

Os profissionais da saúde estão classificados na categoria de risco para infecção pelo COVID-19 por fornecerem cuidados diariamente aos portadores da doença. Dessa forma, os serviços de saúde devem garantir que as políticas e práticas internas minimizem a exposição dos seus profissionais a estes patógenos, implantando medidas preventivas antes da chegada do paciente ao serviço de saúde, na chegada, triagem, espera do atendimento e durante toda a assistência prestada.

Seguem abaixo medidas de prevenção e controle do COVID-19 durante a prestação da assistência em saúde:

Atendimento pré-hospitalar móvel de urgência:

– Melhorar a ventilação do veículo para aumentar a troca de ar durante o transporte;

– Limpar e desinfetar todas as superfícies internas do veículo após a realização do transporte;

– Notificar previamente o serviço de saúde para onde o caso suspeito ou confirmado está sendo encaminhado.

Atendimento ambulatorial, pronto atendimento e unidades de internação

– Garantir triagem, reconhecimento precoce e controle da fonte (isolar pacientes com suspeita de infecção);

– Utilizar alertas visuais (cartazes, placas e pôsteres) na entrada dos serviços de saúde e em locais estratégicos para fornecer aos pacientes e acompanhantes instruções quanto a etiqueta respiratória;

– Orientar os pacientes a adotar as medidas de etiqueta respiratória:

  • Se tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com cotovelo flexionado ou lenço de papel;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal (descartar imediatamente após o uso e realizar a higiene das mãos);
  • Evitar tocar nas mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Realizar a higiene das mãos.

– Manter os ambientes ventilados.

– Eliminar ou restringir o uso de itens compartilhados por pacientes;

– Evitar tocar superfícies próximas ao paciente sem luvas, e aquelas fora do ambiente próximo ao paciente, com luvas ou outros EPI´s contaminados ou com as mãos contaminadas.

– Realizar a limpeza e desinfecção das superfícies do consultório e de outros ambientes utilizados pelo paciente;

– Realizar a limpeza e desinfecção de equipamentos e produtos para saúde que tenha sido utilizado na assistência ao paciente;

– Utilizar precauções padrões para atendimento a todos os pacientes (as precauções padrão assumem que todas as pessoas estão potencialmente infectadas ou colonizadas por um patógeno que pode ser transmitido no ambiente de assistência à saúde e devem ser implementadas para todos os casos suspeitos ou confirmados)

– Implementar precauções adicionais (para gotículas e contato) para casos suspeitos e confirmados de infecção pelo COVID-19;

– Implementar precauções para aerossóis em situações especiais: como procedimentos que podem gerar aerossóis (exemplo, procedimentos que induzem a tosse, intubação ou aspiração traqueal, ventilação não invasiva, ressuscitação)

– Se houver necessidade de encaminhamento do paciente para outro serviço de saúde, sempre notificar previamente o serviço referenciado;

Durante o atendimento ao paciente em qualquer unidade/setor da saúde fornecer/orientar os pacientes suspeitos e/ou confirmados a:

– Usar máscara cirúrgica;

– Usar lenços de papel em caso de tosse, espirros e secreção nasal;

– Higienizar as mãos frequente com água e sabonete líquido ou preparação alcoólica;

– Prover suprimentos para etiqueta respiratória;

– Prover máscaras cirúrgicas, nas entradas dos serviços de saúde, salas de espera de pacientes, etc.:

– Prover dispensadores com preparações alcoólicas para a higiene das mãos (sob as formas gel ou solução) em todos os ambientes de atendimento ao paciente;

– Prover condições para higiene simples das mãos: lavatório/pia com dispensador de sabonete líquido, suporte para papel toalha, papel toalha, lixeira com tampa e abertura sem contato manual.

Durante a prestação da assistência, os profissionais da saúde devem:

– Higienizar as mãos respeitando os 5 momentos preconizados pela ANVISA;

– Utilizar EPI´s (gorro, óculos de proteção ou protetor facial, máscaras N95, FFP2, ou equivalente ao procedimento a ser realizado, avental e luvas de procedimento).

 

Referências:

 

Ana Carolina Cardoso Dantas —

 

  • Enfermeira, Mestranda em Segurança do Paciente pela Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein.
  • Gestora da Qualidade em Saúde pela Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein.
  • Avaliadora da Organização Nacional de Acreditação – ONA.
  • Especialista em Oncologia e Tratamento Antineoplásico pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Expertise em elaboração, implantação e reestruturação de processos de gestão da qualidade, segurança do paciente, planejamento estratégico, gestão clínica e administrativa de serviços de saúde.